Técnica do Rio Branco-AC deixa time feminino após contratação do goleiro Bruno

Após a contratação do goleiro Bruno pelo Rio Branco-AC, a treinadora do time feminino do clube, Rose Costa, anunciou seu pedido de demissão. Pelas redes sociais, a profissional disse que não poderia continuar servindo a instituição dada a admissão do jogador para o elenco masculino. Em 2013, Bruno foi condenado pelo homicídio triplamente qualificado de Eliza Samudio.  “Deixo minha gratidão pela oportunidade, mas preciso esclarecer também que minha história de vida como mulher e profissional me impendem de permanecer no Rio Branco. Como disse, não questiono e nem tampouco julgo suas decisões, mas preciso respeitar a minha história e minhas crenças de que educamos pelo exemplo e, no esporte de rendimento, atletas são figuras públicas, socializam e influenciam comportamentos”, disse Rose em post (completo no fim da matéria). Bruno foi preso em 2010 pela morte de Eliza Samudio, mãe de um dos seus filhos. Três anos depois, foi condenado a 22 anos e três meses de prisão pelo assassinato e ocultação de cadáver de Eliza, e também pelo sequestro e cárcere privado do filho Bruninho. O corpo de Eliza nunca foi encontrado, sendo que as buscas foram encerradas em 2014. O goleiro tentou várias vezes acertar com alguma equipe. Chegou a conseguir habeas corpus para jogar pelo Boa Esporte, mas voltou para a prisão depois de cinco partidas. Bruno conseguiu entrar em regime semiaberto no ano passado. O Rio Branco, após anunciar Bruno, perdeu seu único patrocinador. Em comunicado, a rede de supermercados Arasuper chegou a dizer que “o apoio era de fundamental importância para o trabalho realizado pelo time junto aos jovens e crianças das categorias de base, que serão duramente penalizados”. Confira o posicionamento integral de Rose Costa “Informo que à partir desta data ME DESLIGO da função de técnica/treinadora do RIO BRANCO Futebol Clube FEMININO, motivo: a contratação do goleiro Bruno para compor o elenco da equipe masculina do nosso ESTRELÃO. Quero aqui esclarecer que entendo o momento por qual passa o Rio Branco e a grande maioria dos clubes de futebol acreanos, as dificuldades financeiras como também a oportunidade da contratação do Goleiro Bruno, bem como, ainda, a sua “boa” intenção, no sentido de tornar a equipe competitiva e forte. Deixo minha gratidão pela oportunidade, mas preciso esclarecer também que minha história de vida como mulher e profissional me impendem de permanecer no Rio Branco. Como disse, não questiono e nem tampouco julgo suas decisões, mas preciso respeitar a minha história e minhas crenças de que educamos pelo exemplo, e no esporte de rendimento, atletas são figuras públicas, e socializam e influenciam comportamentos, e meu humilde entendimento é que essa oportunidade dada ao goleiro Bruno, em nossa amada equipe, legitima a ineficiência das leis em nosso país, socializa ainda mais a impunidade aos feminicidas e por fim, macula a imagem de nossa equipe, pois o crime orquestrado por ele é reconhecidamente hediondo, e isso não deve ser personificado na função de atleta de rendimento do nosso clube que tem uma história linda na construção de grandes atletas que são espelhos para toda a nossa juventude e sociedade. Entendam: NUNCA FOI E NUNCA SERÁ SÓ FUTEBOL!!”           Ver essa foto no Instagram                   Informo que à partir desta data ME DESLIGO da função de técnica/treinadora do RIO BRANCO Futebol Clube FEMININO, motivo: a contratação do Goleiro Bruno para compor o elenco da equipe masculina do nosso ESTRELÃO. Quero aqui esclarecer que entendo o momento por qual passa o Rio Branco e a grande maioria dos clubes de futebol acreanos, as dificuldades financeiras como também a oportunidade da contratação do Goleiro Bruno, bem como, ainda, a sua “boa” intenção, no sentido de tornar a equipe competitiva e forte. Deixo minha gratidão pela oportunidade, mas preciso esclarecer também que minha história de vida como mulher e profissional me impendem de permanecer no Rio Branco. Como disse, não questiono e nem tampouco julgo suas decisões, mas preciso respeitar a minha história e minhas crenças de que educamos pelo exemplo, e no esporte de rendimento, atletas são figuras públicas, e socializam e influenciam comportamentos, e meu humilde entendimento é que essa oportunidade dada ao Goleiro Bruno, em nossa amada equipe, legitima a ineficiência das leis em nosso país, socializa ainda mais a impunidade aos feminicidas e por fim, macula a imagem de nossa equipe, pois o crime orquestrado por ele é reconhecidamente hediondo, e isso não deve ser personificado na função de atleta de rendimento do nosso clube que tem uma história linda na construção de grandes atletas que são espelhos para toda a nossa juventude e sociedade. Entendam: NUNCA FOI E NUNCA SERÁ SÓ FUTEBOL!! Uma publicação compartilhada por Rose Costa (@rosecostaaacre) em 28 de Jul, 2020 às 8:44 PDT

Fonte: O Tempo