Por volta por cima, Cruzeiro busca resgatar histórico de revelações em títulos

O Cruzeiro aposta na juventude para conseguir sair do buraco financeiro e esportivo que se encontra. Depois de ser rebaixado pela primeira vez na história, em 2019, o clube vive situação difícil nos bastidores por conta da falta de dinheiro para fazer grandes contratações. Com isso, o clube irá mesclar a experiência de alguns jogadores tratados como pilares da equipe, como o goleiro Fábio, o zagueiro Léo e o atacante Marcelo Moreno, com atletas formados nas categorias de base. O objetivo, além de subir para a elite do futebol, é revelar jogadores com potenciais de revenda para o futebol exterior e, consequentemente, reforçar os cofres do clube. Atualmente, o clube conta com o zagueiro Cacá, com o meia Maurício e com o atacante Thiago como possíveis revelações capazes de se juntar às promessas que deram certo e que foram reveladas pelo clube nos últimos anos. Além dos valores desses jovens em futuras negociações, o clube deposita as esperanças nesses três jogadores para fazer uma boa campanha e conquistar o Campeonato Brasileiro da Série B. Por isso, Cacá e Maurício fazem parte do time-base de Enderson Moreira, com Thiago sendo a primeira opção para a vaga de Marcelo Moreno. No atual elenco, dos 34 jogadores que fazem parte da equipe (incluindo Dedé), 16 deles são formados pelo Cruzeiro. Histórico Somente na década atual, com as conquistas do Brasileiro (2013 e 2014) e Copa do Brasil (2017 e 2018), o clube revelou Lucas Silva, Mayke, Wallace, Murilo, Alisson e Elber. O Cruzeiro se apega no histórico de conquistas e revelações para ter um 2020 satisfatório dentro e fora de campo. Apesar da legião de forasteiros campeã da Copa do Brasil 96 e Libertadores 97, com Palhinha, Dida, Marcelo Ramos, Roberto Gaúcho e Cia, a Raposa mostrou ao mundo uma geração de ouro formada no clube. Nos títulos da Taça Brasil de 66. O clube revelou Dirceu Lopes, Tostão, Piazza, Natal e Zé Carlos, e na Libertadores de 1976, Darci Menezes, Vanderlei, Roberto Batata, Joãozinho e Palhinha representaram a base celeste no primeiro título continental cruzeirense.

 

Fonte: O Tempo