Flamengo acerta em apostar no ‘toco y me voy’, mas estilo é diferente de 2019

Praticamente acertado com Domènec Torrent, o Flamengo aposta num estilo de jogo que marcou o clube nos áureos tempos do galinho Zico: o toque de bola clássico, objetivando sempre a vitória.
É, em tese, o que se espera de um treinador que assessorou Guardiola por quase uma década.
Porém, algumas pontuações são necessárias.
O ‘toco y me voy’, inerente ao estilo de jogo contratado, é diferente, em intensidade, da maneira de treinar futebol do antecessor, Jorge Jesus.
Se o ataque criativo e de ótima movimentação serve para ambos os sistemas, no que, especificamente, deverá ser implementado daqui por diante, um meio campo absolutamente técnico e de boa infiltração, além de laterais com características de meias serão essenciais.
Nem todo o elenco rubro-negro possui esse perfil, o que poderá gerar alguma dificuldade inicial.
Porém, ainda que com pontuais alterações, se o Flamengo engrenar será difícil ao torcedor de qualquer clube do planeta ignorá-lo, ainda mais com um palco monumental como é o Maracanã coadjuvando.
Vide o efeito Barcelona, guardadas as proporções que somente Messi, Iniesta e Xavi, assim como, noutros tempos, Andrade, Adílio e Zico puderam proporcionar.
Tudo isso, é claro, se Domènec souber, de fato, colocar em prática o que, provavelmente, deve ter aprendido em teoria.
Nem todos conseguem.
O caso clássico é de Oswaldo de Oliveira, assessor no auge de V(W)anderlei(y) Luxemburgo, que, ao se assumir treinador, excetuando-se o imperdível título mundial conquistado com a melhor geração de jogadores da história do Corinthians – com elenco herdado do antecessor, nunca demonstrou, na prática, a competência esperada.

Fonte: Blog do Paulinho