Waka Waka, vuvuzelas, jabulani, Larissa Riquelme: o que era hit na Copa de 2010

Uma década depois, a Copa da África do Sul segue simbólica. Neste sábado, dia 11 de julho, a final entre Espanha e Holanda, vencida por La Roja, completa 10 anos. Um torneio de marcas e lembranças que permanecem na memória dos fãs de futebol por todo o planeta. Um desses ícones foi a cantora colombiana Shakira. Desde 1962, no Mundial do Chile, as músicas-tema são tradições da Copa. Mas nenhuma pegou tanto quanto Waka Waka (This Time for Africa).  A COPA DE SHAKIRA Lançada em maio de 2010 em parceria com a com a banda sul-africana Freshlyground, Waka Waka mudou a vida de Shakira para sempre, a fazendo sempre ser lembrada a cada nova edição de Copa do Mundo e também conhecendo aquele que posteriormente virou seu esposo, o zagueiro espanhol Piqué. Waka Waka provém do idioma Fang e significa ‘Faça isso’.  Uma década depois, a própria Shakira utilizou suas redes sociais para compartilhar um vídeo com um trecho de Waka Waka bastante simbólico e que traz imagens de profissionais da linha de frente na luta contra a pandemia do novo coronavírus. These videos are incredible and I’m so honored this song of mine that now is yours, can be so uplifting in a such difficult times. Thank you frontline heroes for all you’re doing! ❤️ pic.twitter.com/ZLiErGOV2d — Shakira (@shakira) April 25, 2020 A parte da canção afirma: “Você é um bom soldado, escolhendo suas batalhas, se recomponha, sacode a poeira e volte para a sela (no caso, em alusão à montaria)”.  WAVIN’ FLAG  A Copa da África foi tão significativa em termos musicais que até mesmo a Coca Cola, um dos mais tradicionais patrocinadores do Mundial, teve sua música tema entre os maiores sucessos. A canção, chamada Wavin Flag (Balançando sua bandeira) e interpretada pelo cantor, compositor e rapper somali K’naan, entrou para a lista de paradas musicais. Cidadão canadense, K’naan teve a música certificada no país e ganhou o disco de platina. No Brasil, a canção teve uma versão gravada pelo Skank.  VUVUZELAS Um dos grandes marcos da Copa do Mundo de 2010 foi a vuvuzela. Bastava a bola rolar para as cornetas serem disparadas. Uma ‘invasão de abelhas’ que aterrorizou as transmissões esportivas, deixou jogadores furiosos, e a Fifa em maus lençóis. A vuvuzela é uma tradição sul-africana que tem origem nas tribos ancestrais do país, que possuíam berrantes para convocar reuniões. O barulho de um desses objetos poderia chegar a 127 decibéis. Imagina mais de 60 mil delas reunidas em um mesmo lugar?  JABULANI A Copa do Mundo de 2010 deu o que falar também dentro de campo. A Jabulani foi, sem dúvidas, a bola mais famosa da história dos Mundiais, O objeto pregou grandes peças no goleiro por causa de sua tecnologia avançada de contato com ar proveniente de seus gomos redondos, fabricados bem juntos e com uma superfície ligeiramente irregular. Os jogadores e treinadores chiaram, criticas foram rotina, mas a Adidas faturou bem. A bola foi um dos objetos mais comprados daquele torneio, e buscado em vários lugares do mundo.    A COPA DAS TELAS FINAS A Copa de 2010 trouxe uma novidade para as casas brasileiras, a popularização e o desejo das televisões de telas finas. Os novos transmissores davam adeus aos aparelhos de tubo catódicos. Desde a Copa de 2006, as transmissões já estavam sendo produzidas em HD, mas foi justamente próximo ao Mundial de 2006 que a tecnologia se popularizou no Brasil, com as emissoras dando adeus ao SD (Standard Definiton). Além disso, a partir de 2010, as televisões de tela fina custavam a partir de R$ 2.500,00, o que facilitou a compra. Outras duas tecnologias foram testadas na época, televisões de LED, muito caras e de difícil acesso à época, e a transmissão em 3D, que não emplacou.   LARISSA RIQUELME Um dos sucessos da Copa de 2010 foi a torcedora paraguaia Larissa Riquelme. À época, ela ficou conhecida em todo o mundo e ganhou o título de musa do torneio. No ano passado, ela esteve no Brasil para acompanhar a disputa da Copa América.

 

Fonte: O Tempo