Sem Boselli, Corinthians tenta regularizar Jô ou terá de improvisar no mata-mata

O Corinthians precisa acelerar o processo de regularização do contrato de Jô para não ter de realizar uma improvisação no seu setor ofensivo na partida contra o Red Bull Bragantino, neste meio de semana, pelas quartas de final do Campeonato Paulista. O time perdeu o outro centroavante do elenco, Mauro Boselli, que sofreu fratura na face no triunfo por 2 a 0 sobre o Oeste, domingo, na Arena Barueri, resultado que fez o Corinthians avançar de fase na competição. O argentino foi submetido a cirurgia nesta segunda-feira. Para regularizar Jô, o Corinthians precisa receber a documentação do Nagoya Grampus, do Japão, para regularizar o contrato com o centroavante, que não disputa uma partida oficial desde 2019. O centroavante se desligou de modo litigioso do clube japonês. Ele foi anunciado como reforço em 17 de julho. O técnico Tiago Nunes, assim, aguarda a regularização, que precisa ocorrer até o fim da terça-feira, para utilizar Jô. Caso isso não ocorra a tempo, o treinador terá de realizar uma improvisação no ataque, sendo que o meia Mateus Vital seria o favorito para ficar com a vaga de Boselli no ataque corintiano, como fez durante o duelo contra o Oeste. O setor ofensivo do Corinthians pode ter outro problema para o confronto com o Bragantino, pois Everaldo deixou a partida na Arena Barueri reclamando de dores musculares. Caso não tenha condições de atuar no meio de semana, Janderson é o favorito para substituí-lo diante do Bragantino. O Corinthians também aguarda a evolução de Cantillo para definir se poderá aproveitá-lo nas quartas de final do Paulistão. O colombiano foi diagnosticado recentemente com coronavírus e ficou afastado das atividades, em isolamento. Camacho tem atuado na sua função, mas Ederson o substituiu diante do Oeste e teve boa atuação, com um gol marcado. Por ter realizado campanha melhor, o Bragantino é o mandante do confronto pelas quartas de final do Paulistão. O local, a data e o horário do duelo ainda vão ser definidos pela FPF.

 

Fonte: O Tempo