No Troféu Inconfidência, Cruzeiro registra pior posição no Mineiro em 63 anos

O Cruzeiro até venceu a  Caldense por 1 a 0, gol de Régis, o segundo triunfo de Enderson Moreira no comando do time, mas o triunfo na noite dessa quarta-feira não foi capaz de fazer o time celeste avançar à fase final do Campeonato Mineiro. O atual bicampeão estadual ficará fora da reta final do torneio regional pela primeira vez desde 2004, quando o formato com a primeira fase em turno único e mata-matas posteriores foram adicionados ao campeonato. Eram 15 anos seguidos chegando à parte final do torneio. Historicamente, fora dos quatro primeiros colocados no Mineiro, a Raposa figurou pela última vez em 1957, ou seja, o pior posto em 63 anos.  A Raposa finalizou a fase classificatória na 5ª colocação, com os mesmos 20 pontos da Caldense, quarta colocada e última classificada às semifinais, mas com três gols a menos de saldo (9 a 6).   Obviamente, a conta do vexame regional está nos primeiros nove jogos que o time disputou no Mineiro, quando estava sob o comando de Adilson Batista. Para a Raposa sobrou uma indigesta disputa do Troféu Inconfidência que reúne do 5º ao 8º colocados do Estadual. A semifinal da competição de fundo está marcada de forma prévia para o dia 2 de agosto. A final está marcada para o dia seis.  A última vez que o Cruzeiro participou de uma competição como essa no estado foi em 1956, o Troféu de Consolação que levava o nome de Coronel Oscar Paschoal. A participação da Raposa deveu-se ao péssimo desempenho no Mineiro de 1955, que invadiu a temporada seguinte. Sem pretensão nenhuma e desejo de conquistar um Torneio de Consolação, o time celeste mandou a campo uma equipe alternativa nas vitórias contra o Sete de Setembro, por 6 a 4; e também sobre Asas, de Lagoa Santa, por 4 a 1, perdendo os pontos na Justiça. O Cruzeiro encerrou sua participação na inglória competição vencendo o Metalusina por 4 a 2, em segundo lugar. O Troféu Coronel Oscar Paschoal foi vencido pelo Sete de Setembro, enquanto o Mineiro foi conquistado pelo arquirrival Atlético.  Sessenta e quatro anos depois, a história se repete para a Raposa, que pode inclusive aplicar no Troféu Inconfidência o mesmo expediente de décadas atrás e utilizar um time alternativo ou sub-20 para disputar o torneio. A atenção do Cruzeiro estará focada agora na estreia do Campeonato Brasileiro da Série B, marcada para o dia 8 de agosto, quando encara o Botafogo de São Paulo, no Mineirão. O time ainda busca sobreviver na Copa do Brasil, quando terá que inverter um placar de 2 a 0 construído pelo CRB, outra herança ingrata de Adilson Batista, para avançar à quarta fase do torneio nacional.

Fonte: O Tempo