Justiça nega recurso e Andres Sanches seguirá no Corinthians até, ao menos, a votação do balanço financeiro

No final de junho, o movimento ‘Liberdade Corinthiana’ ingressou na Justiça com pedido de liminar para afastamento de Andres Sanches da presidência do Corinthians.
Assinam como proponentes do processo: Herói Vicente, Suzy Miranda, Eduardo Lopes, Wanderley Ferreira, Silvio dos Santos, Paulo Rogério Carrera, Maurício Nale, Leandro Cano, José Tarabay, Igor Parada, Alexandre Neto, Carlos Eduardo Miguel, André Luiz Bisca, Antonio Cravero, Benedito Aparecido da Silva, Gilmar Altamirano, Carlos Garofallo, Celso Campello Neto e Gildo de Souza Luque.
Foram listadas diversas transgressões do cartola, à lei e ao Estatuto alvinegro.
Todas absolutamente verdadeiras.
A Liminar foi negada.
Inconformados, os opositores recorreram através de Agravo de Instrumento, mas o resultado foi semelhante.
Na última terça-feira (14), um dia após a reunião do CORI, a 4ª Câmara de Direito Privado manteve o entendimento de que o assunto deve ser decidido pelos poderes do clube, cabendo ao judiciário ser acionado em caso de descumprimento dos ritos internos da agremiação.
Traduzindo: Andres Sanches permanecerá presidente, ao menos até o dia da votação das contas de sua gestão, a ser realizada, se não houver intercorrências, no prazo aproximado de um mês, ocasião em que, reprovados os números, será iniciado procedimento de impeachment.

 

Fonte: Blog do Paulinho