Jorge Victor projeta retorno do Cruzeiro feminino: ‘Expectativa muito grande’

O time feminino do Cruzeiro vai retomar a disputa do Campeonato Brasileiro Feminino Série A1 no final de agosto. A última partida da equipe foi em 14 de março, há mais de quatro meses, e o cenário atual é de trabalhos monitorados por profissionais do clube à distância. Sem previsão do retorno presencial, o time ainda está elaborando os procedimentos de retomada, como comentou o técnico Jorge Victor. “Nós ainda precisamos definir sobre os métodos e protocolos que vão ser necessários nesse retorno das atividades, para depois passarmos para o planejamento dos treinamentos. Como os treinos foram mantidos durante todo esse período, as atletas têm sidos instruídas e têm exercitado todas as capacidades físicas”, pontuou. “Então, quando voltarmos aos treinamentos em conjunto, iremos focar no desenvolvimento tático da equipe, buscando um desempenho muito parecido com o que alcançamos nos grandes jogos que fizemos no início do Campeonato. No retorno das atividades o foco será na questão tática e no aperfeiçoamento daquilo que nós já havíamos conseguido realizar nos primeiros jogos”, completou o treinador. O Cruzeiro ocupa a nona posição do Brasileiro Feminino A1, primeira divisão da modalidade. A equipe somou nove pontos em cinco partidas, com três vitórias e duas derrotas. Esta é a primeira vez que o clube disputa a competição. “A expectativa para o retorno do Brasileiro é muito grande, tendo em vista que esse campeonato é muito significativo para o Cruzeiro e para todos os membros da equipe, comissão técnica e atletas, já que é a primeira vez que disputamos a competição”, colocou Jorge. A pandemia representou uma situação inesperada. As competições foram suspensas e os treinos presenciais cancelados. O momento é novo para todos e sem antecedentes, mas o treinador afirmou que vai ser necessário que a equipe consiga se adequar ao tempo de preparação para a retomada do Brasileiro. “Quanto ao tempo de preparação, é sempre uma questão difícil. Primeiro, nós nunca tivemos um parâmetro sobre uma situação similar a essa que aconteceu no futebol, seja masculino ou feminino, para estimar um tempo ideal de preparação. Nós precisamos pensar que, quando voltarmos, vamos nos adequar para que nesse tempo que tivermos possamos fazer a melhor preparação possível para os jogos que vão vir em sequência”, ponderou o treinador.

 

Fonte: O Tempo