Galo x América: rivalidade do século XX e criação do ‘clássico das multidões’

Atualmente, Atlético e Cruzeiro protagonizam a maior rivalidade de Minas Gerais. No entanto, nem sempre o cenário teve a Raposa como grande rival do Galo. Durante décadas, o futebol mineiro foi polarizado entre Atlético e América, responsáveis por fazer o ‘clássico das multidões’. Neste domingo (2), os times vão se encontrar pela ida da semifinal do Mineiro, às 16h, no Mineirão. Dos três clubes da capital, Atlético e América foram fundados primeiro. O Galo surgiu em 1908, sendo que o Coelho foi criado quatro anos depois. O Cruzeiro, ainda como Palestra Itália, só surgiu no ano de 1921. Com isso, por algumas décadas, as torcidas atleticana e americana foram as maiores do Estado, com o time celeste sendo uma terceira força. O futebol tem seus primeiros clubes em Minas Gerais no começo do século XX, e a denominação ‘clássico das multidões’ partiu de torcedores e da imprensa local, dada a rivalidade que ia se firmando entre Atlético e América. Para remontar à concepção do esporte no contexto de BH, o Super.FC consultou informações reunidas no livro “O futebol nas gerais”, organizado por Silvio Ricardo da Silva, José Alfredo Debortoli e Tiago Felipe da Silva. Supremacias alvinegra e alviverde No artigo “Picadinho de Raposa com sopa de Galo”, de Marcelino Rodrigues da Silva, o autor destaca o contexto de domínio de Atlético e América nos primeiros anos do campeonato da cidade, que posteriormente se tornou o Campeonato Mineiro. “Do ponto de vista esportivo, os primeiros anos do futebol em Belo Horizonte também foram marcados pela supremacia de Atlético e América. O Atlético foi o primeiro campeão da cidade, em 1915, e o América conquistou, entre 1916 e 1925, o tão festejado decacampeonato”, contextualiza o autor. No artigo “O futebol em Belo Horizonte e a constituição do campo esportivo”, de Raphael Rajão Ribeiro, o autor aponta a consolidação da rivalidade em um contexto onde o futebol começa a ser organizado na capital. As principais agremiações criaram a Liga Mineira de Sports Athleticos (LMSA), já dando mostrar de uma sistematização do esporte. “A maior estruturação das agremiações e a realização das competições possibilitaram terreno fértil para que as paixões clubísticas fossem cultivadas. A rivalidade entre as entidades acirrava-se gradativamente. Atlético e América polarizavam a luta pelo posto de melhor time da cidade”, conta Raphael. Crescente do Cruzeiro Com o surgimento do Cruzeiro no começo da década de 20, o então Palestra Itália passa a se popularizar, mas ainda figurava como uma terceira força do Estado por alguns anos. É possível datar que até a década de 50, Atlético e América ainda tinham muita força para sustentar o chamado ‘clássico das multidões’, especialmente por terem mais público e renda nos jogos, por exemplo.  “Devemos reconhecer que a rivalidade entre Atlético e América ainda ocupava, nas décadas de 1940 e 1950, um lugar central no cenário futebolístico mineiro. A decadência do América se expressou, em termos esportivos, por um longo jejum de títulos, que começou em 1926 e só foi quebrado em 1948. Mas, provavelmente por sua forte inserção nas elites belo-horizontinas, o clube ainda era visto pela opinião pública como um dos ‘grandes’ do futebol mineiro, como se pode ver por uma leitura panorâmica dos jornais daquela época”, destaca Marcelino Rodrigues. Um marco para a ascensão do Cruzeiro, que já vinha em construção em anos anteriores, sem dúvida alguma foi a década de 60. Ao vencer a Taça Brasil de 1966, o clube deixou de ser regional e assumiu um caráter mais nacional do ponto de vista do reconhecimento. O Cruzeiro já vinha conquistando muitos torcedores no Estado e acabou tomando o lugar que o América ocupava. Galo e Raposa passaram, com isso, a ser as maiores forças do Estado. O que cooperou para que o Cruzeiro mantivesse uma crescente no número de torcedores foi a sucessão de décadas vitoriosas. Com exceção de de 80, mais seca, todas foram marcadas por grandes conquistas. Na de 70, o clube foi campeão da Libertadores; na de 90, bicampeonato da Supercopa e da Copa do Brasil; nos anos 2000, dois títulos da Copa do Brasil e um Brasileiro; na atual década, dois bicampeonatos da Copa do Brasil e do Brasileirão. Galo x América O ‘clássico das multidões’, que outrora de fato justificou sua denominação, foi importante para a constituição do futebol em Belo Horizonte, sendo a primeira grande rivalidade da capital. A primeira partida entre os clubes foi em novembro de 1913, um jogo amistoso que terminou empatou em 1 a 1. Em números, segundo fontes oficiais dos dois clubes, há divergências no histórico de confrontos.  Números do Atlético 407 jogos 202 vitórias do Atlético 102 empates 104 vitórias do América 713 gols do Atlético 506 gols do América Números do América 418 jogos 115 vitórias do América 102 empates 201 vitórias do Atlético 507 gols do América 699 gols do Atlético Atlético e América vão se enfrentar no Mineirão neste domingo, às 16h. A partida, com mando do Galo, será válida pela ida da semifinal do Mineiro. Na próxima quarta (5), às 21h30, o Coelho vai receber o Atlético no Independência. Melhor na primeira fase, o América tem a vantagem do empate no agregado para avançar à decisão do Estadual.

 

Fonte: O Tempo