Galo: Goleiro Rafael se destaca em empate que manteve o time no G-4 do Mineiro

O empate do jogo entre América e Atlético, neste domingo, passou pela boa atuação do goleiro Rafael, do Galo. Depois de poucas presenças no primeiro tempo, ele foi bastante exigido na etapa final, fazendo a diferença para seu time segurar o resultado. No segundo tempo, Rafael foi decisivo em suas intervenções, em chutes de curta e média distância, para evitar o pior. O goleiro já começa a ratificar sua qualidade, que ficou conhecida nos anos em que defendeu o Cruzeiro.  A queda de rendimento do Atlético no segundo tempo, influenciada também pela parte física, fez com que o América tivesse mais posse de bola e levasse muito perigo à meta adversária. Menos mal para o Galo que Rafael estava bem preparado para fazer o time seguir no G-4 faltando uma rodada para o fim da fase de classificação. “Todos os goleiros do grupo estão se sentindo bem graças ao treinamento do professor Maia. Ele se dedica muito para nos dar uma boa condição. Foram nove semanas de um trabalho muito importante e sabemos da nossa evolução neste período. Agora, temos que seguir no caminho do trabalho que o crescimento vai aparecer”, comentou. Savarino foi bem na primeira etapa, mas ‘sumiu’ no segundo tempo O torcedor do Atlético certamente não nutre nenhum tipo de saudade pelo técnico venezuelano Rafael Dudamel. Um dos poucos legados deixados pelo treinador em Belo Horizonte já começa a mostrar seu potencial com a camisa do Galo. O atacante Savarino fez, neste domingo, contra o América, na retomada do Campeonato Mineiro, apenas sua sexta partida pelo time. a terceira como titular. A primeira vez em que entrou jogando foi no clássico contra o Cruzeiro, antes de ser mantido para a rodada seguinte contra o Villa Nova, quando marcou seu primeiro gol com a camisa atleticana.  No clássico deste sábado, Savarino chamou atenção desde os primeiros minutos, quando forçou a marcação americana a ‘dobrar’ quando o venezuelano estava com a bola. Com velocidade, habilidade e ousadia, sempre indo pra cima do adversário, Savarino conseguiu fazer o América receber o primeiro cartão amarelo, com Zé Ricardo, logo aos 10min. Quase sempre pelo lado direito, o jogador deu muito trabalho para o lateral-esquerdo Sávio. No último lance do primeiro tempo, Savarino sentiu lesão no pé após tentativa de chute, que o fez ser dúvida para a sequência do duelo. A preocupação da torcida terminou após o intervalo, com o atacante voltando para o campo. Assim como todo o time, Savarino teve atuação discreta na segunda tempo, destoando do que foi apresentado nos primeiros 45 minutos.

Fonte: O Tempo