Galo conta com reforços do ataque para fazer o setor funcionar

O Atlético pagou cerca de R$ 20 milhões para contar com Marrony, atacante revelação da base do Vasco. O clube alvinegro desembolsou mais R$ 12 milhões para repatriar Keno, jogador ofensivo que brilhou com a camisa do Palmeiras e estava no futebol árabe. O investimento de mais de R$ 30 milhões no setor se justifica. Apesar de o ataque do Galo estar entre os mais positivos do Campeonato Mineiro (com 15 gols), apenas três atletas de frente chegaram às redes e só um fez mais de um gol até agora. O contestado Di Santo, que nem faz mais parte do elenco, foi o único que marcou em mais de uma oportunidade. Fez três gols. Savarino e Bruno Silva são os outros dois atacantes que também deixaram sua marca, mas apenas uma vez cada um. Os outros passaram em branco e precisaram contar com o apoio de atletas de diferentes posições para ajudar o Galo a deixar o gramado com vitória. O Zagueiro Igor Rabello e o lateral-esquerdo Fábio Santos vêm logo atrás na disputa pela artilharia no Galo, com dois gols cada um. O zagueiro Gabriel, os laterais Arana e Maílton e os meias Otero e Marquinhos completam a lista de jogadores do Atlético que marcaram antes da paralisação do Mineiro por causa da pandemia. O time alvinegro contou ainda com um gol contra no empate em 1 a 1 com o Boa, na sétima rodada. Alívio para os torcedores que o novato Marrony já mostrou seu cartão de visita no jogo-treino contra o América. Marcou dois na vitória de 3 a 2. Keno chegou bem depois e ainda vem buscando o melhor entrosamento com os novos companheiros na Cidade do Galo. Ele não foi relacionado para o confronto e também ainda não teve o nome publicado no BID, portanto não tem condições de enfrentar o Coelho domingo, às 16h, na retomada do Mineiro. Mas certamente são jogadores que podem contribuir muito com o time de Sampaoli.

 

Fonte: O Tempo