Galo: Conselhos Fiscal e Deliberativo divergem sobre liberar balanço financeiro

O balanço financeiro do Atlético referente às contas de 2019 ainda caminha pelos bastidores do clube. Ele precisa ser examinado pelo Conselho Fiscal e apreciado pelo Deliberativo como processos para aprovação das contas, mas os órgãos do clube têm apresentado divergências sobre o processo. Primeiramente, o balanço precisa ser examinado pelo Conselho Fiscal. Consultado pelo Super.FC, o presidente Sérgio Leonardo afirmou que esse processo já ocorreu. Ainda, que a questão está agora nas mãos do Conselho Deliberativo. “O balanço já foi publicado. A questão da entrega de uma via a cada Conselheiro deve ser verificada com a Diretoria Executiva e a Presidência do Conselho Deliberativo”, afirmou o presidente do Conselho Fiscal. Procurado pela reportagem, o presidente do Conselho Deliberativo do Galo, Castellar Guimarães Filho, afirmou que ainda não recebeu o parecer do Conselho Fiscal para que possa proceder com a apreciação do balanço no órgão que preside. “Depois de publicado o balanço, o Conselho Fiscal tem que preparar o parecer do balanço e colocar em votação entre os membros do Conselho Fiscal. Esse parecer tem que vir à tona. Temos que conhecer o parecer deles e o entendimento do Conselho Fiscal. É o que está agarrado”, disse Castellar. Ao Super.FC, o presidente do Conselho Fiscal rebateu que o balanço esteja ‘agarrado’ no órgão. Segundo Sérgio Leonardo, é aguardada a data da reunião para apreciação do balanço por parte do Conselho Deliberativo. “Nada está travado no Conselho Fiscal. Eu mesmo o indaguei [a Castellar Guimarães] se ele já tinha decidido a data da reunião e se seria presencial ou virtual, mas não tive resposta”, disse Sérgio. Para que a reunião seja marcada, segundo Castellar, é necessário que o Conselho Deliberativo tenha acesso ao parecer do Conselho Fiscal. “Preciso ter o parecer dele para submeter ao Conselho. O balanço foi publicado, mas a apreciação do balanço é do Conselho Fiscal. Eles têm que examinar, o presidente dá o voto e coloca em votação no Conselho. É o que não foi feito. Estou aguardando o parecer do Conselho Fiscal. A informação que eu tenho é que o parecer ainda não foi submetido a votação no Conselho Fiscal”, apontou Castellar. Já Sérgio afirmou que o parecer do Conselho Fiscal está sendo preparado, mas que será apresentado somente na reunião de apreciação do balanço, que precisa ser marcada pelo Conselho Deliberativo. “O Conselho Fiscal já recebeu todas as informações e está preparando o parecer, que será, como de costume, apresentado por ocasião da Reunião do Conselho Deliberativo. Basta o presidente [Castellar, do Conselho Deliberativo] marcar a reunião”, completou Sérgio. Em resumo, o Conselho Deliberativo do Atlético espera ter acesso ao parecer do Conselho Fiscal sobre o balanço para poder marcar a reunião de apreciação das contas. Já o Conselho Fiscal entende que só deve apresentar este parecer na reunião que o Conselho Deliberativo precisa marcar. O que diz o estatuto O Estatuto Social do Atlético traz, em seu artigo 55, que é de competência do Conselho Fiscal “d) examinar as Demonstrações Financeiras, consistentes no Balanço Patrimonial, Demonstração do Resultado do Exercício, Demonstração das Mutações de Patrimônio Líquido, Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos, acompanhadas das respectivas Notas Explicativas e Relatório da Diretoria, opinando sobre tais documentos”. Também, “h) apresentar ao Conselho Deliberativo parecer circunstanciado, anual, sobre o movimento econômico, financeiro e administrativo do Atlético”. O estatuto do clube determina ainda, no artigo 44, que é de competência do Conselho Deliberativo “XI – examinar e julgar as Demonstrações Financeiras, consistentes no Balanço Patrimonial, Demonstração do Resultado do Exercício, Demonstração das Mutações de Patrimônio Líquido, Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos, acompanhadas das respectivas Notas Explicativas, Relatório da Diretoria e do Parecer do Conselho Fiscal”. O Atlético teve um aumento nas dívidas em 2019, fechando o ano com R$ 746 milhões de endividamento. As demonstrações financeiras do clube precisam ser examinadas e aprovados pelos Conselhos Fiscal e Deliberativo.

 

Fonte: O Tempo