Gabigol e o desrespeito

Ontem (12), quase no final da partida entre Fluminense e Flamengo, a primeira da decisão do Campeonato Carioca, o árbitro Wagner Nascimento Magalhães, de maneira correta, aplicou o segundo cartão amarelo em Gabigol, que, deliberadamente, fazia cera para segurar a vitória de sua equipe.
O jogador reclamou no campo e depois pelas redes sociais:
“Assim.. Simplesmente assim tiram você de uma final! Desrespeito com seu trabalho, com sua equipe e com sua família que torce por você em cada jogo! Um pouco de respeito, e responsabilidade, por favor”
Eis o ponto.
Na limitada análise de Gabigol, o árbitro teria obrigação de fechar os olhos para sua infração.
O atacante, que fala em respeito e responsabilidade horas após circular pelo Rio de Janeiro descumprindo a lei e expondo diversas pessoas a risco pela falta de utilização de máscara, inclusive os citados ‘equipe’ e ‘família’, sequer é capaz de autocrítica pela tentativa, corretamente coibida, de ‘malandragem’.
“Ah! mas todo mundo faz” ou “nenhum árbitro expulsa”, dirão alguns.
Todos os que fazem, porém, são duramente criticados pela imprensa e pelos torcedores, razão pela qual o acerto de Wagner Magalhães deve ser destacado e, se possível, tomado como referência para disputas futuras.

 

Fonte: Blog do Paulinho