Enderson aprova entrega do Cruzeiro, mas reforça que time ainda não está pronto

O técnico Enderson Moreira analisou o desempenho do Cruzeiro após a vitória por 1 a 0 sobre a Caldense, na noite dessa quarta-feira, em Poços de Caldas, que foi insuficiente para fazer o time celeste chegar à fase semifinal do Campeonato Mineiro. O comandante ressaltou que a missão que recebera, da necessidade de fazer três gols na Veterana, era muito difícil, mas apontou a entrega de seus comandados como um dos fatores a se destacar em um jogo disputado em condições desfavoráveis, como o gramado do Ronaldão.    “Em todos os jogos você tem coisas boas e coisas que não são tão boas assim. A gente tinha uma missão que era muito difícil, possível, mas muito difícil, e a gente tentou, e acho que fizemos o máximo que podíamos fazer, é claro que tem coisas que poderiam ser melhores, mas a disputa dos atletas, a disposição, a entrega, foram digna de muitos elogios da minha parte. Acho que como equipe, é claro, a gente ainda não está pronta, vamos caminhar, vamos melhorando durante a competição. Creio que ninguém está pronto no Brasil, não tem nenhuma equipe que já esteja realmente jogando tudo aquilo que possa jogar”, analisou Enderson.    “Então a gente precisa ter tranquilidade, tem muita coisa boa, gostei, tivemos muita dificuldade com o gramado, mas isso faz parte, vamos enfrentar isso também durante o Brasileiro, mas eu acho que teremos uma equipe bastante competitiva e espero que no dia 8 de agosto a gente possa fazer nossa estreia e fazer com qualidade, fazer um bom jogo”, acrescentou o comandante da Raposa.  O técnico do Cruzeiro também citou a competência do time da Caldense, que se apresentou para a partida com um objetivo claro de jogo e o executou. Não à toa, a Veterana está na fase final do Mineiro e terá como rival o Tombense, líder do Estadual.  “É claro que o gramado era ruim para as duas equipe, atrapalhou a definição das duas. Acho que em alguns momentos a gente acabou pecando em alguns lances, que eram lances importantes, tivemos chances claras assim, chances para fazermos o segundo gol e claro que isso ia causar um sentimento de maior preocupação da equipe da Caldense. Mas o grande motivo é que a equipe da Caldense entrou com o propósito claro de se defender, de jogar pelo regulamento, com aquilo que eles tinham de vantagem e eles foram felizes e competentes nisso. Foi um adversário que está se classificando, teve vitórias importantes contra equipes tradicionais do Campeonato Mineiro, então a gente tem que dar mérito para eles”, ressaltou o técnico do Cruzeiro.  Enderson discordou que seu time tenha se portado de forma desorganizada em campo contra a Caldense. Na avaliação do comandante, esse fator só se mostrou mais presente nos minutos finais de jogo, quando a ansiedade pelos gols tornou-se maior.  “Me permita discordar um pouco. Acho que a gente teve um padrão de organização muito bom até os 30 minutos do primeiro tempo, depois disso a gente se perdeu um pouco, perdemos aquilo que temos como padrão. Tentamos jogar no segundo tempo, argumentar com uma equipe que jogou muito atrás, então os espaços eram pequenos, mas a gente tentou. Eu não achei que foi desorganizado. Eu acho que talvez em um campo em melhores condições a gente poderia acelerar algumas jogadas, algumas movimentações que a gente tem. Em um determinado momento do jogo, faltando 10, 15 minutos, o lado emocional ele pesa muito mais. Então a equipe tinha na verdade aquela ânsia de poder fazer o gol, e aí você perde a organização. Nesse aspecto sim”, pontuou Enderson Moreira.  O comandante voltou a reforçar o comprometimento que a equipe apresentou em campo, e a sequência do trabalho que será feito até a estreia na Série B, marcada para o dia 8 de agosto, no Mineirão, contra o Botafogo de São Paulo.   “Acho que a demonstração deles têm sido muito positiva, queria ressaltar a entrega de todo o grupo, o tanto que eles se dedicaram, ninguém pode falar ao contrário disso. Se dedicaram muito até o último instante, todos correram para trás, evitando o contra-ataque, evitando sofrer o gol do adversário e tentando atacar ao mesmo tempo. Eu fico orgulhoso dessa disposição, dessa entrega da equipe e vamos continuar organizando, fazendo as coisas que a gente acha que possam ser importantes para a nossa equipe”, encerrou.

Fonte: O Tempo