Dúvidas sobre a volta do Campeonato Mineiro? Diretor de competições esclarece

Diretor de competições da Federação Mineira de Futebol (FMF), Leonardo Barbosa participou, nesta sexta-feira (10), do programa Super FC 1ª edição, da rádio Super 91,7 FM. O dirigente esclareceu pontos relacionados à volta do Campeonato Mineiro, previsto para 26 de julho. Restam seis datas para concluir o torneio, duas da primeira fase, duas das semifinais e duas das finais. Como a CBF já determinou o reinício do Campeonato Brasileiro para o fim de semana dos dias 8 e 9 de agosto, a única pendência é com relação aos dias das partidas decisivas, que serão definidos com os finalistas posteriormente. Barbosa detalhou como os clubes precisarão proceder se suas cidades não tiverem sido liberadas pelas prefeituras, questões legais, de registro de novos atletas e outros assuntos. Confira as respostas do diretor de competições: Datas e locais das partidas “Como não existe mais essa possibilidade de isolamento (numa única sede, que seria Belo Horizonte), a única coisa que a federação fez com relação à tabela foi confirmar as datas. Os mandos estão mantidos. A gente sabe que algumas cidades não estão liberadas, como o caso de Belo Horizonte. Mas os clubes têm até cinco dias antes do retorno para encaminhar à federação o ofício da prefeitura liberando o jogo. Caso a prefeitura da cidade não libere, o próprio clube vai indicar um novo local, com o ofício de uma outra prefeitura. No dia 20, vamos ter essa certeza. Como há portão fechado, não haverá inversão de mando. As equipes podem mandar seus jogos em qualquer local do Estado”. Jogos das finais “Estamos diante de uma situação excepcional. Começando no dia 26, terminamos a semifinal antes do início do Brasileiro. No dia 6 de agosto, após a semifinal, vamos sentar com os finalistas, analisar o calendário e definir as duas datas das finais. Se acontecer algo e não conseguirmos concluir essas quatro rodadas, vamos convocar os clubes de novo e, dentro do possível, encaixar o calendário. A CBF vai nos auxiliar nisso”. Contestações judiciais “Se hoje estou diretor de competições é por causa da experiência no Tribunal de Justiça Desportiva. Tenho quase dez anos de Justiça Desportiva. É um direito dos clubes acionar a Justiça. Ela existe justamente para atender os clubes que se sentem prejudicados. Nossa preocupação foi tomar as decisões da forma mais democrática e correta. Estamos conversando com todos desde março. Fizemos uma reunião na terça. Os 12 clubes participaram e dez concordaram com o retorno (Tupynambás e Villa Nova foram contra) no dia 26, com os procedimentos que foram definidos. De 12, eu tenho a concordância de dez. Curiosamente ou não, os dois que não concordaram estão na posição mais baixa da tabela e, portanto, mais ameaçados do rebaixamento. Se eles entrarem (na Justiça), só nos resta aguardar a decisão. Agora, a federação não fez nada de forma imposta”. Registro de novos atletas “Os clubes já tinham decidido no conselho técnico do ano passado que não haveria limite de inscrição e limite de prazos. Independentemente de pandemia, um clube já poderia trocar todo o elenco de uma rodada para a outra. A questão da duração do prazo dos contratos é mais complicada por ser uma questão legal. A Lei Pelé prevê o prazo mínimo (três meses). Tem uma discussão, de um projeto de lei, que já foi aprovado na Câmara (para diminuir para 30 dias). A gente vem atuando nessa questão legislativa e política para poder aprovar, mas dependemos do legislativo”. Acesso da imprensa “A imprensa vai ter acesso. Já fiz contato com a AMCE (Associação Mineira de Cronistas Esportivos), já peguei o protocolo com eles, estamos também em contato com a CBF para poder alinhá-lo. O que vai estar restrito é o acesso ao gramado. As dependências do estádio, as cabines e a própria arquibancada para os repórteres ficarem de lá vão estar liberados”. Módulo II “Nossa ideia é terminar o Módulo I, ver como foi o protocolo, se está tudo certo e, assim, convocar uma reunião com o Módulo II. Temos vários cenários. Vamos voltar agora ou mais para o fim do ano? Podemos esperar a situação melhorar um pouco e já emenda com a temporada do ano que vem? Isso quem vai decidir são os clubes. Temos que receber do Estado as questões protocolares e vamos discutir o que é possível e o que não é. O Módulo II, como não tem contrato de TV, a situação financeira é mais complicada”. Segurança “Aqui em Minas, nós da federação, estamos muito preocupados também. Não estamos negando a doença, sabemos que é séria. O que a gente vem discutindo é que o futebol profissional da Primeira Divisão, pela questão financeira, tem condições de adotar um protocolo que talvez nenhum ramo da economia tem, de se isolar atletas, de fazer estagem. Foi tudo pensado, não há nada de irresponsabilidade e estamos fazendo tudo da forma mais cuidadosa possível para que a gente possa voltar e terminar o campeonato da forma mais segura possível” *Com Pedro Abílio, Roberto Abras e Lélio Gustavo DATAS PREVISTAS – Jogos válidos pela 10ª Rodada: 26/07 – Jogos válidos pela 11ª Rodada: 29/07 – Partidas de ida da fase semifinal: 02/08 – Partidas de volta da fase semifinal: 05/08 JOGOS 10ª rodada – 26 de julho** 10h – Uberlândia x Villa Novas – Uberlândia 16h – Tupynambás x Caldense – Juiz de Fora 16h – América x Atlético – Belo Horizonte 16h – Patrocinense x Boa Esporte – Patrocínio 16h30 – Cruzeiro x URT – Belo Horizonte 17h – Coimbra x Tombense – A definir 11ª rodada – 29 de julho** 21h30 – Tombense x Uberlândia – Tombos 21h30 – Caldense x Cruzeiro – Poços de Caldas 21h30 – Boa Esporte x Tupynambás – Varginha 21h30 – Atlético x Patrocinense – Belo Horizonte 21h30 – URT x América – Patos de Minas 21h30 – Villa Nova x Coimbra – Nova Lima **Locais das partidas podem ser alterados até 20 de julho

 

Fonte: O Tempo