De Fantoni a Alonso: relembre os 14 zagueiros estrangeiros da história do Galo

O zagueiro Júnior Alonso já está em Belo Horizonte para assinar contrato com o Atlético. O paraguaio está em fase de exames médicos e testes de detecção do coronavírus para poder firmar vínculo e ficar à disposição do técnico Jorge Sampaoli. Alonso será o 14º zagueiro estrangeiro a atuar pelo Atlético na história do clube. De Benito Fantoni, na década de 50, a Martin Rea, no ano passado, 13 zagueiros de outros país defenderam a camisa do Galo. Foram quatro uruguaios, três argentinos, três paraguaios, dois equatorianos e um italiano até então, sem contar a cara nova do clube. Junior Alonso vai deixar Uruguai e Paraguai empatados como os países que mais cederam zagueiros ao Atlético ao longo da história do clube. O Super.FC listou os 13 anteriores ao paraguaio para relembrar os gringos que passaram pela defesa atleticana. Zagueiros estrangeiros que defenderam o Atlético Martin Rea: o uruguaio teve uma passagem tímida pelo Atlético, vindo de empréstimo do Danubio, do Uruguai. Ele chegou ao Galo em 2018, mas só teve oportunidade de jogar em 2019. Com duas partidas e o fim do vínculo com o Atlético, foi negociado pelo Danubio com o futebol mexicano. Erazo: o equatoriano esteve no Atlético em 2016 e 2017. Ele chegou ao Brasil emprestado pelo Barcelona de Guayaquil ao Flamengo e ainda passou pelo Grêmio até ser adquirido pelo Galo. Depois da passagem por Minas, ainda defendeu a camisa do Vasco no Brasil. Erazo foi vice-campeão da Copa do Brasil de 2016 com o Atlético. Otamendi: mesmo com passagem curta pelo Atlético, o argentino deixou boas lembranças para o torcedor do Galo. Ele defendeu o clube mineiro em 19 jogos no primeiro semestre de 2014, emprestado pelo Valencia. Zagueiro da seleção argentina, atualmente defende o Manchester City. Cáceres: entre 2010 e 2011, o paraguaio teve sua segunda passagem pelo Atlético. Antes, defendeu o clube em 2005, ano da queda para a Série B. Apesar do resultado coletivo, destacou-se pelas atuações individuais. Cáceres esteve nas Copas do Mundo de 2002 e 2006 com a seleção paraguaia. Jairo Campos: campeão da Libertadores com a LDU (Equador) sobre o Fluminense, em 2008, o equatoriano defendeu o Atlético em 2010. O Galo chegou a emprestar o jogador para o Deportivo Quito no ano seguinte e, desde então, o zagueiro não deixou mais seu país. O Atlético rescindiu amigavelmente com Jairo em 2011. Benítez: paraguaio revelado pelo Olimpia, Benítez defendeu o Atlético entre 2009 e 2010. Foi a única experiência do jogador em território brasileiro. No Galo, não teve muitas oportunidades com o então treinador Vanderlei Luxemburgo. Aos 39 anos, está no Deportivo Capiatá, do Paraguai. Ricardo Martínez: com apenas seis jogos disputados com a camisa do Atlético em 2008, o paraguaio não deixou saudades. Emprestado pelo Libertad, do Paraguai, foi repassado ao Gama, do Distrito Federal. Essas foram as duas equipes de Martínez no Brasil. Gutierrez: o uruguaio defendeu o Galo no ano de 2002, com 48 jogos disputados e nenhum gol. O Atlético foi sua única experiência no Brasil, tendo defendido equipes como River Plate e Liverpool, ambas do Uruguai, e Rostov, da Rússia. Capria: revelado na base do Huracán, o argentino fez apenas dez partidas pelo Galo no fim da temporada 2000, com três gols anotados. Um deles foi contra o Boca Juniors, no mata-mata da Copa Mercosul. Galván: com passagem pelo Atlético entre 1998 e 1999, durante quase um ano e meio, o argentino tem até uma tatuagem do clube mineiro no braço direito. O carinho da torcida foi rápido, assim como quis retribuir. Galván foi campeão mineiro e vice-brasileiro pelo Atlético em 99, com 57 jogos disputados e três gols marcados. No Brasil, defendeu também o Santos e o Paysandu. Kanapkis: destaque da seleção uruguaia no começo da década de 90, não teve o mesmo sucesso no Atlético. A passagem do uruguaio pelo Galo foi em 1993 e 94 e ficou marcada por um drible do atacante Ronaldo aos 17 anos. Atuando pelo Cruzeiro, Fenômeno tirou Kanapkis duas vezes, deixando o uruguaio no chão para tentar marcá-lo.  Olivera: campeão mundial com o Peñarol em 1983, o uruguaio se transferiu logo em seguida para o Atlético. Com o Galo, foram 72 jogos disputados e oito gols marcados. O jogador defendeu apenas Peñarol e Atlético na carreira, pendurando as chuteiras justamente no time mineiro. Em 1985, foi campeão mineiro como treinador e jogador do Galo, tendo conquistado o carinho da torcida. No Atlético, destacou sua parceria na zaga com Luizinho.  Benito Fantoni: o italiano foi o primeiro zagueiro estrangeiro a defender o Galo, entre 1956 e 1960, com 185 partidas disputadas. No Atlético, foi campeão mineiro de 56 e 58. Depois do Atlético, foi para o rival Cruzeiro, onde já tinha acumulado passagens ainda no juvenil.

 

Fonte: O Tempo