Cruzeiro: presidente faz apelo à prefeitura para jogar no Mineirão em retomada

O presidente do Cruzeiro, Sérgio Santos Rodrigues, fez um apelo à prefeitura de Belo Horizonte para poder atuar na capital mineira, no próximo dia 26, quando o futebol será retomado e o clube encara a URT. O dirigente ressaltou que está em contato com a administração do município e pediu até o apoio da torcida para que, por meio das redes sociais, consiga fazer o apelo ganhar voz junto ao prefeito Alexandre Kalil.  “Eu queria fazer um apelo final à torcida do Cruzeiro. Semana que vem a gente já começa a jogar, e hoje se discute muito onde jogar. Eu tenho falado constantemente com a prefeitura, sou muito bem atendido lá e queria pedir à torcida para fazermos um apelo para podermos jogar no Mineirão, que é a nossa casa. Já conversei com o Samuel (Lloyd), com a Minas Arena, todo mundo sabe da boa relação que temos lá, tenho certeza que vamos construir muitas coisas em conjunto ainda”, observou Sérgio.  O presidente do Cruzeiro apresentou questões até mesmo técnicas para defender que as partidas aconteçam na capital mineira.  “Eu sempre coloquei o meu posicionamento de que a saúde deve estar sempre em primeiro lugar. Só que a grande questão que eu coloco é a seguinte. Como que é o protocolo hoje para se jogar? As federações só autorizaram que cada equipe leve 42 pessoas na sua delegação, isso incluindo comissão técnica, jogador e diretoria. Ou seja, eu tenho 42 de cada time e mais umas dez pessoas da FMF. Vamos arredondar esse número para 100. Se eu tiver 100 pessoas em Nova Lima, Sete Lagoas, Nova Serrana ou no Mineirão, essas mesmas 100 pessoas, que estarão em um ambiente aberto, e são pessoas testadas, elas vão se encontrar de qualquer forma. E onde elas moram? Elas moram em Belo Horizonte”, explanou o presidente celeste.  “Então se elas jogarem em Sete Lagoas, elas voltam para cá. Então não muda em nada jogar no Mineirão ou em Sete Lagoas. Hoje eu fiz um apelo à prefeitura para que entendesse isso porque é uma questão de lógica que ultrapassa a estatística. O futebol vai voltar, a gente não está discutindo a volta do futebol, e isso já está sacramentado. Ainda bem, a gente tem acompanhado, os números começam a cair agora, essa situação vai ser superada, a gente já vê alguns campeonatos, o Carioca já finalizou, o Paulista começa nessa semana, não vimos nenhum dado que atrele a volta de campeonato ao aumento de caso de Covid, que é uma situação séria, existe essa correlação. E a grande questão que a gente colocou lá hoje é que estamos tratando diferentemente de um shopping center que é fechado, as pessoas estão ali, os consumidores não necessariamente estão testados, estamos falando de uma atividade econômica que teremos 100 pessoas ali testadas e elas estarão juntas em qualquer lugar”, ressaltou o mandatário da Raposa.  Ainda de acordo com Sérgio, esse posicionamento não é só dele. Ele apontou que confia que Marcos Salum, presidente do América, e Sérgio Sette Câmara, presidente do Atlético, compartilham do mesmo desejo de jogar em BH.  “Se não jogarmos no Mineirão, nós vamos jogar em Sete Lagoas, e se alguém ali pegar Covid, eles vão voltar para BH e serão tratados em hospitais de BH. Eu fiz esse apelo à prefeitura e peço a torcida também. Para nós é fundamental, não só em meu nome, tenho certeza que o Salum e o Sette Câmara querem que o América e o Atlético Mineiro também joguem em BH”, opinou o dirigente celeste.  Mediante ao apelo e a apresentação de questões técnicas, Sérgio confia que Alexandre Kalil, prefeito da capital minieira, ouvirá a solicitação do povo da capital mineira.  “Vamos fazer essa campanha aí. Eu tenho certeza que o prefeito é muito ligado em redes sociais, ele vai ouvir a população de Belo Horizonte, vai compreender essa parte, como eu disse, que é técnica, simplesmente técnica, como eu expliquei, não altera em nada o local se essas pessoas vão se misturar de qualquer forma. E elas estão testadas. Nós também queremos a segurança. Faço esse apelo. Vamos jogar em Belo Horizonte, não só em termos técnicos, econômicos, para a gente poder, o Cruzeiro especialmente, estar em sua casa. Vamos movimentar”, finalizou Sérgio Santos Rodrigues.  A Secretaria Municipal de Saúde (SES) ainda não definiu sobre a liberação de jogos em Belo Horizonte, uma vez que o órgão aponta que não é possível prever como estará o cenário da pandemia na capital no dia previamente marcado para a volta do torneio estadual.

 

Fonte: O Tempo