Cruzeiro endossa clubes da Série A e apoia manifesto a favor da Lei do Mandante

O Cruzeiro é outro clube que endossa o manifesto já divulgado nesta quinta-feira em prol da Lei de Democratização das Transmissões de Futebol. A informação foi confirmada pela assessoria de imprensa do clube. Nas redes sociais, a campanha usa a hashtag #PelaLeidoMandante. A campanha trouxe inicialmente o parecer favorável de 15 clubes da Série A do Brasileiro, dentre eles o rival Atlético, excetuando Grêmio, Fluminense, Botafogo e São Paulo.Todavia, a manifestação conta com o apoio de clubes de todas as divisões do futebol nacional. O grupo teria, de acordo com o portal Uol, a presença de 40 agremiações.  Recentemente, em entrevista à rádio Super 91.7 FM, Sérgio Santos Rodrigues, presidente celeste declarou seu parecer favorável à medida, mas questionou a forma como ela foi discutida.  “Ela, de uma forma geral, é positiva para o futebol. O que causou imbróglio foi a falta de diálogo. Sou da área do Direito e sei que ela deve ser usada para casos de emergência e maior necessidade. Acha que falta, no Brasil, o espírito de dar as mãos e negociar coletivamente. Nos EUA, por exemplo, a prioridade é a competitividade fomentando todos os participantes. Temos aqui dois a quatro times que acham que podem se sobressair e este não é o melhor caminho. A forma como a MP se deu foi equivocada pela falta de discussão”, disse Rodrigues.  O texto que vem sendo compartilhado por diversos clubes do país traz as seguintes pontuações:  1. Porque o torcedor é diretamente beneficiado. A MP acaba com os “apagões”, isto é, os jogos sem nenhuma transmissão, que ocorriam quando um canal tem o direito de um time e outro canal tinha o direito do outro. A situação anterior impedia, por exemplo, que mais da metade dos jogos do Campeonato Brasileiro fossem exibidos na TV fechada. Com mais partidas sendo exibidas, teremos um futebol mais democrático, mais acessível e mais barato. 2. Porque ela empodera os clubes a negociar seus direitos e incentiva a união entre as equipes. Esse formato prevalece nos principais mercados de futebol do mundo. O Brasil está pronto para esse passo libertador, que certamente será o ponto de partida para outros aprimoramentos. Com a MP, quanto mais os clubes estiverem unidos, mais vão ganhar. 3. Porque a concorrência vai aumentar. O modelo que vigorava no Brasil gerou concentração do futebol nas mãos de poucos investidores. Consequentemente, não alcançou todo o seu potencial e ainda gerou distorções no seu modelo de distribuição. A MP viabiliza a entrada de novos investidores no mercado, sem afastar os atuais, aumentando a disputa. E isso é bom para os clubes e melhor ainda para o torcedor. 4. Porque devemos seguir o exemplo de quem fez e deu certo. A legislação anterior tinha mais de 50 anos e não refletia uma forma moderna de negociação dos direitos esportivos. A ampliação de investimentos gera aumento de receitas para os clubes, viabilizando a manutenção dos nossos craques por mais tempo no país, além do investimento em estrelas internacionais. EM RESUMO Os torcedores ganham com o fim dos apagões de jogos, com mais craques em campo e com um melhor espetáculo no Brasil. Os clubes ganham com mais liberdade e receitas. E o país ganha com os clubes mais sólidos financeiramente, maior geração de empregos e crescimento de impostos pagos aos governos.

Fonte: O Tempo