Cruzeiro define dívidas prioritárias e tem até quinta para pagar R$ 2,4 milhões

O Cruzeiro inica a semana pensando na importante estreia da Série B, no próximo sábado, no Mineirão, contra o Botafogo-SP, além da decisão do Troféu Inconfidência, contra o Uberlândia, na quarta-feira; porém, no campo jurídico, o clube possui já na mesa a obrigação de quitar até quinta-feira 395.619 euros (cerca de R$ 2,4 milhões) ao Spartak Moscou, da Rússia, pela transferência do atacante Pedro Rocha por empréstimo no ano passado.  As dívidas na Fifa foram estabelecidas pela diretoria como a principal proridade de pagamento no momento. No caso do débito por Pedro Rocha, o não pagamento pode gerar uma punição de impedimento do regisro de novos atletas.  Em entrevista à rádio Super 91.7 FM, o presidente Sérgio Santos Rodrigues foi questionado sobre as preocupações que as dívidas de ordem tributária geram no Jurídico do clube – são nove execuções e um valor de R$ 300 milhões -, mas pontuou que as mesmas ainda possuem recurso, o que faz com que os débitos na Fifa sejam a prioridade.  “Toda dívida a gente quer cumpri-la, pagá-la, negociá-la de alguma forma, mas é claro que a gente tem que trabalhar dentro do fluxo permitido de caixa. Então as dívidas que vamos dar prioridade são as exigíveis a curto prazo, porque as tributárias ainda não têm, nenhuma delas, é um jargão normal do tributário, às vezes você expedir a ordem de pagamento, mas ainda cabe recurso, ainda cabe discussão, o próprio Profut, como a gente falou, entendemos que algumas cobranças foram feitas a mais antes. Então, a prioridade são pagar as dívidas na Fifa, já vencidas que são a do Spartak, semana que vem, tem uma do Zorya também para o dia 20,  do Independiente Del Valle a gente renegociou, e a mais sensível delas é a do Al Wahda, que já gerou a perda de seis pontos, antes de chegarmos aqui, e poderia gerar um rebaixamento. Essas são as prioridades para resolvermos”, disse o dirigente.  Como citado pelo presidente, o Cruzeiro conseguiu acordar com o Independiente Del Valle o parcelamento da dívida referente ao zagueiro Caicedo. O débito de US$ 674.502,00 (cerca de R$ 3,6 milhões) e mais uma segunda ação de cifras maiores que não foram reveladas, foi dividido em 18 vezes. O clube também conseguiu um acordo com o Tigres, do México, em relação à transferência de Rafael Sóbis, um débito no valor total de R$ 17,2 milhões; e ainda quitou parte da dívida com o  Zorya, da Ucrânia, pela vinda do atacante Willian ‘Bigode’, cerca de R$ 3,5 milhões com o auxílio do Supermercados BH.  A dívida mais preocupante segue sendo a que envolve o volante Denílson. O clube tem que pagar 850 mil euros (R$ 5,3 milhões) ao Al-Wahda para evitar que seja punido com o descenso para a Série C do Brasileiro.

 

Fonte: O Tempo