Camisa 10 do Galo, Cazares vê seu valor de mercado cair seis vezes em seis meses

O contrato do meia Cazares com o Atlético se encerra no fim deste ano e o empresário do atleta já deu declarações que o equatoriano não seguirá na Cidade do Galo. O jogador, aliás, já pode até assinar um pré-contrato com uma outra equipe. O que chama a atenção, no entanto, é a desvalorização de mercado do meio-campista em tão pouco tempo. Em janeiro, a diretoria alvinegra recusou uma proposta de US$ 3 milhões (R$ 12,7 milhões, em valores da época) do Al-Ain, dos Emirados Árabes. Pouco mais de seis meses depois, o preço dos direitos econômicos do atleta caiu seis vezes, chegando a US$ 500 mil (R$ 2,7 milhões), segundo a mais nova oferta do mundo árabe. Paralelamente, Cazares também viu seu nome ser oferecido a clubes brasileiros, como Corinthians e São Paulo. Diante da situação, a diretoria se vê diante do dilema: vender por um preço baixo ou correr o risco de perdê-lo de graça em dezembro? O será que vale insistir e convencê-lo a renovar? Cazares chegou ao Atlético em janeiro de 2016, aos 23 anos. Em todo esse período, viveu altos e baixos e muitas polêmicas extracampo, como acusação não se confirmada de agressão a mulheres e a recente contaminação pela Covid-19, após promover festas em sua casa, em Lagoa Santa. O meia ficou mais de um mês afastados dos treinamentos. Site especializado em valor de mercado de jogadores, o Transfermarket ainda coloca Cazares com um preço considerável de 3,5 milhões de euros (R$ 21,5 milhões na cotação atual). Há um ano e meio, seu valor de mercado chegava a 6 milhões de euros (R$ 36,8 milhões). Fatores como a idade – hoje com 28 anos – e o próprio futebol são considerados no cálculo. Cazares tem 205 jogos e 41 gols com a camisa alvinegra, apenas um a menos que Lucas Pratto, o maior artilheiro estrangeiro da história atleticana.

 

Fonte: O Tempo