América: Com rivais reforçados, Juninho espera briga ainda maior pelo título

Antes da paralisação do futebol o América vivia uma ótima fase, enquanto os rivais, Atlético e Cruzeiro, tropeçaram nas competições com eliminações precoces, resultados adversos e demissão de treinadores. Durante esta parada do futebol, por conta da pandemia do novo coronavírus, Galo e Raposa ajeitaram a casa, anunciando contratações e investimentos. Para o capitão do Coelho, volante Juninho, a briga concorrência pelo título ficou mais acirrada. “O Cruzeiro contratou treinador, o Atlético nem precisa falar e o Tombense não pode se esquecer que está na briga também. A gente não ganhou o título ainda, só estamos na frente. Nós nos colamos nesta posição. Acredito que vai ser bem disputado e da forma que nós queríamos também. Ninguém queira que o campeonato acabasse e um time fosse campeão. A gente quer que o campeão seja no campo. Acredito que vai ser disputado, pelo fato deles se reforçarem, mas foi um tempo bom para nós também. Acredito que a confiança até aumentou entre nós. Então a torcida pode ter certeza que o América vai brigar forte por este título”, destacou o volante. Juninho ainda comentou sobre a definição de retorno do Estadual. Saber quando o futebol será retomada representa mais tranquilidade para os atletas. “Traz uma tranquilidade e uma responsabilidade a mais. Acho que é muito ruim quando você sai de casa para treinar sem perspectiva de jogos. Depois que saíram as datas, no meu modo de ver, até os treinos se tornaram mais competitivos”, comentou. Jogo-treino Na próxima quarta-feira (15), América e Atlético farão um jogo-treino, às 10h, na Cidade do Galo. Será o primeiro teste das equipes, que vão se enfrentar logo na retomada do Mineiro. Segundo Juninho, o duelo no CT do Atlético não pode servir como o único parâmetro para a avaliação da equipe. “Não posso colocar somente esse jogo como avaliação. Isso é diariamente aqui, que a gente ver o nível e a capacidade do nosso time. Lógico que, esse jogo-treino, muitas pessoas vão acompanhar, mas a gente não pode é achar que está tudo bom ou ruim, em caso de vitória ou derrota. Acho que pode servir como uma avaliação, mas o grupo chegou muito bem, todo muito se cuidou bem em casa e isso foi muito importante para que a gente já se adaptasse logo no retorno”, ponderou.

 

Fonte: O Tempo